Dubladores

Cordélia Santos


Arquivo de Som:

 
Ligeirinho em Looney Tunes (Primeira Dublagem)


 
Biografia:

 
Cordélia Santos foi uma dubladora Carioca.
 
Odete Victório nasceu em 1926, em Igarapava, São Paulo.

 

Começou bem jovem no rádio, com apenas 20 anos em 1946, levada pelo namorado José Viana (Hélio Antônio Marinho) para fazer um teste para rádioatriz na Rádio Triangulo Mineiro em Uberaba. Passou no teste, e ingressou na emissora como rádioatriz. Um tempo depois também se tornou locutora. Sua primeira rádionovela foi Sangue e Areia, de José Viana. Logo depois disso começou a usar o nome artístico de Cordélia Santos, que foi mistura dos nomes das radioatrizes Cordélia Ferreira da Mayrink Veiga, e de Ismênia dos Santos da Rádio Nacional, da qual Odete era fã.

 

Na emissora conheceu José Viana, com quem um tempo depois namorou e se casou.

 

Cordélia e José passaram por várias outras rádios, todas do interior de São Paulo, nas cidades de Ribeirão Preto e Campinas, até chegar a capital paulista, aonde conseguiram contrato com os Diários Associados, indo trabalhar na Rádio Tupi. Nessa emissora, Cordélia participou de inúmeras novelas, entre elas Teodora, de J. Silvestre, fazendo a personagem principal que da nome a novela, entre outras.

 

Cordélia Santos na década de 1950

 

Por volta de 1951, Cordélia e José recebem um convite de Paulo Gramont da Diários Associados, donos da Rádio Tupi do Rio de Janeiro para trabalharem como rádioatores na cidade. Desde então Cordélia segue longa carreira em solo carioca.

 

Na mesma época também trabalhou na Tv Tupi como garota propaganda da emissora.

 

Também em 1951, foi contratada pela Rádio Tamoio, também levada por Paulo Gramont, também junto com seu marido José Viana, e os dois estreando em um programa no dia 9 de Agosto de 1951, ao lado do também recém-contratados Climaco César.

 

Em 1952, Cordélia estréia em uma de suas primeiras novelas na Rádio Tamoio, chamada Terra é Sempre Terra, novela sertaneja de Aldo Madureira, atuando ao lado de Hélio Ribeiro, Aurélio Teixeira e Heloísa Mafalda.

 

Raul Zanoni, Heloisa Mafalda, Cordélia Santos e Sebastião Braga em Boa Tarde da Tamoio em 1952

 

Também em 1952, estreia o programa Boa Tarde da Tamoio, que informava o ouvinte das 14h00 às 16h00 sobre todo o tipo de acontecimento. Entre o cast estavam Raul Zanoni, Heloísa Mafalda, Cordélia Santos e Sebastião Braga. O programa foi criado pelas mãos de Paulo Gramont, que havia pego o posto de diretor artístico no ano de 1952, modificando o quadro de programação da emissora, como também colocando em primeiro plano o radioteatro na emissora.

 

José Viana, marido e Cordélia, e Carlos Frias antes de começarem Suas Vidas em Minhas Mãos

 

Em 1954, estréia no programa de autoria e direção de Teixeira Filho, Suas Vidas em Minhas Mãos, ao lado de Ida Gomes, Castro Gonzaga, Paulo Moreno, Sônia Barreto, Nelly Villanova, Neida Rodrigues, entre outros.

 

Nota do Diário de Notícias de 19 de Abril de 1955

 

Em 1955, estréia na novela de Edgard G. Alves, Paisagem Perdida, com narração de Julio Louzada, ao lado de Ida Gomes, Luiza Nazareth,  Wilton Franco, Nadia Maria e Nelly Villanova. A direção é de Olavo de Barros. A novela estreou no programa Teatro de Novelas Julio Louzada, que ia ao ar todas as terças, quintas e sábados, as 20h30.

 

Cordélia na frente do microfone da Tupi em 1956

 

Por volta de 1956, trabalhou no programa da dupla sertaneja, Alvarenga e Ranchinho, chamado o Arraial do Pendura a Saia, aonde além de interpretação, também cantava.

 

Ioná Magalhães, Paulo Porto e Cordélia Santos em 1957

 

Em 1957, participa do programa humorístico de Max Nunes, Uma Pulga na Camisola, encarnando o papel de um menino chamado Bolinha, um menino que faz o pai passar vexame, com perguntas muito idiotas.

 

Elenco de Cidade dos Meus Encantos em 1958

 

Em 1958, participa da rádionovela do famoso escritor Edgard G. Alves, Cidade dos Meus Encantos, ao lado de Leda Maria, Amélia Simone, Hamilton Ferreira, Ida Gomes, Mariú Lemar, Jomeri Pozzoli, Maria do Carmo e Ricardo Lucena na Rádio Tupi.

 

Cordélia Santos em 1956

 

Também em 1958, Cordélia é convidada para pousar como modelo para uma revista de histórias em quadrinhos, ao lado de Paulo Bob e Big Jones, que já serviram de modelo antes para revistas do gênero.

 

Em 7 de Fevereiro de 1958, participa no rádioteatro de comédia de Max Nunes, Ali Babá e Os 40 Garçons, ao lado de Nádia Maria, Avalone Filho, Armando Nascimento, Gordurinha, Ribeiro Fortes, Barbosa Junior, Ida Gomes, Jomeri Pozzoli, Leda Maria, Walter Moreno, Tutuca, Hamilton Ferreira, Honório de Souza e Mário Tupinambá na Rádio Tupi.

 

Cordélia Santos, Sônia Barreto, o poeta J. G. de Araújo, Silvana Lopes e Marly em 1959

 

Em 1959 estréia a novela Livro Branco, de Aparecida Menezes, com Cordélia ao lado de Nélio Pinheiro, Paulo Maurício, Radamés Celestino, Amélia Simões, Yoná Magalhães, D'André Neto, Norma de Andrade, Suely May, Roberto Carlos, Heitor Dias e Alberto Herrera na Rádio Tupi.

 

No dia 30 de Junho de 1959, estreou a novela de José Fernandes, As Luzes Brilharão Outra Vez, aonde Cordélia atua ao lado de Ribeiro Santos, Carlos Alberto, Nelly Villanova, Roberto Carlos, Maria do Carmo, Cleonir dos Santos, Norma de Andrade, Radamés Celestino, Hilda Machado, Percy Monteiro, Lolita Câmara, Paulo Moreno, Faria Veiga e Aldo César na Rádio Tupi.

 

Cordélia ao lado do diretor de rádioteatro da Tupi, Olavo de Barros, no regresso do mesmo, após sua convalescência em 1959

 

Em 20 de Novembro de 1959, Cordélia estréia na Rádio Tupi a novela da colega Norka Smith, Sombras e Destinos, ao lado de Silvana Lopes, Teresinha Castro, Jomeri Pozzoli, Honório de Sousa, Carlos Alberto, Gualter de Franca, Paulo Gonçalves, Heitor Dias e Ronaldo Magalhães.

 

Cordélia Santos em 1956, pousando para uma foto para um artigo sobre ela para a Revista do Rádio

 

Em 1960, estreou na Rádio Tupi a novela Anos de Desespero, de Albuquerque Pereira, com Cordélia Santos, Jomeri Pozzoli, Ida Gomes, Suely May, Honório de Souza, Gualter de Franca, Silvia Maria, Lauro Fabiano, Percy Monteiro, Maria do Carmo, Aldo César e Ribeiro Santos.

 

Também no ano de 1960, foi convidada para compor o elenco de um novo programa chamado Patrulha da Cidade na Radio Tupi (hoje em dia Super Radio Tupi), aonde informava a população sobre notícias policias, dramatizando-as como radioteatro muito bem humorado e que ia direto ao ponto. Vários locutores, rádioatores e comediantes participaram do programa, ao longo de várias décadas. Entre eles temos Afonso Soares, Coelho Lima, Samuel Correa, Juarez Getirana, Oliveira Junior, Nair Amorim, Paulinho Gogó, Marcelo Torreão, Mauro Ramos, Garcia Duarte, Maurício Manfrini, Simone Molina, Paulo Jr, além dos jornalistas Roberto Feres, Ana Rodrigues, Marcos Marinho, Márcia Limão, entre muitos outros profissionais. O programa existe até hoje, e é o único programa do radio brasileiro que ainda faz radioteatro.

Elenco de 2012/2013 do programa Patrulha da Cidade

 

Em 8 de Maio de 1961 estréia na novela semanal Ressurreição, de Vanda Vladimir, ao lado de Neli Vilanova, Sônia Barreto, Ida Gomes, Alcina Barreto, Selma de Alencar, Carlos Alberto, e Radamés Celestino na Rádio Tupi.

 

Em Junho de 1961, estréia a novela A Felicidade Custa Tão Pouco, de Hélio Tys, com Jomeri Pozzoli, Norka Smith, Lícia Conde, Ida Gomes, Sônia Barreto, Roberto Carlos, Terezinha Castro, Luís Mota e Gualter de França na Rádio Tupi.

 

Cordélia Santos na década de 1950

 

Estreou em Setembro de 1961 na Rádio Tupi, o programa Reflexão, apresentado por Cordelia, ao lado de Paulo Moreno, e o professor Remus, aonde eram dados conselhos no âmbito psicológico à pessoas que precisam de ajuda.

 

Em Novembro 1961, estréia na novela Só a Mim Deves Amar, de Jeny Fontes, ao lado de Amélia Simone, Paulo Gonçalves, Silvia Maria, Vanda Costa, Avalone Filho, Ribeiro Santos, Luiza Nazaré, Marirú Lemar, Luis Mota, Ribeiro Fontes, Sônia Barreto, D'André Neto e Jomeri Pozzoli na Rádio Tupi.

 

Em 30 de Outubro de 1962, estréia na novela Histórias de Uns Olhos Verdes, de Aldo Madureira, com Norka Smith, Ribeiro Santos, Ida Gomes, Leda Maria, Olavo de Barros e Dario Lourenço na Rádio Tupi.

 

Em 18 de Abril de 1962, estréia na novela traduzida e adaptada por Ivany Ribeiro, O Segredo do Castelo de Cliff, ao lado de Amélia Simone, Jomeri Pozzoli, Sônia Barreto, Aliomar de Matos, Abel Pêra, Paulo Moreno, Ronaldo Magalhães, Norma de Andrade, Aldo César, Heitor Dias, Leda Maria e Marirú Lemar na Rádio Tupi.

 

Em 1964, foi mãe pela primeira vez,m deu a luz a um menino.

 

Nota do Jornal do Brasil de 18 de Agosto de 1969

 

Em 27 de Setembro de 1967, estréia na peça infantil, O Coelhinho Pitomba, de Milton Luiz, ao lado de Antônio Miranda, Walney Vianna e Milton Luiz, no Teatro Jovem. A pessoa ficou 2 anos em cartaz, passando também pelos teatros Arena Clube de Arte, Novo Teatro de Bolso e Teatro de Arena de Guanabara.

 

Cordélia Santos além das rádio novelas, sempre participou de comédias no rádio. Em 1973 contava com a parceria dos comediantes Antônio Carlos, Matinhos, Mauro Gonçalves, Estelita Bell, Selma Lopes, Leda Maria, Cévio Cordeiro, Radamés Celestino, Abel Pêra e Paulo Barbosa na Rádio Tupi.

 

Em 1975 é participação destacada no quadro Cidade Nua de Mário Rodrigues, ao lado principalmente de Guilherme Santarém e Leda Maria, além do cast de apoio da Tupi.

 

Nair Amorim e Cordélia Santos


Após o fim das rádionovelas na década de 1970 na Rádio Tupi, Cordélia ficou apenas no Patrulha da Cidade, papel que exerceu de 1960 até 2016, em um total de 56 anos dedicados ao programa.


Na dublagem Cordélia entrou no início dos anos de 1960 na CineCastro, sendo uma atuante dubladora na casa. Depois passou pela a Herbert Richers, no qual veio a se afastar completamente no final da década de 1990,  dedicando-se apenas ao Patrulha da Cidade.

 

Em 1989, levou o colega Mauro Ramos que trabalhava com ela no programa Patrulha da Cidade na Rádio Tupi, para os estúdios da Herbert Richers, pois via o enorme talento que o colega tinha com interpretação.

 

Ching em A Princesa e o Cavaleiro

 
Entre seus personagens marcantes na dublagem estão na maioria vozes de crianças, como a voz mais constante do pequeno Ching amigo da Princesa Safire nas dublagens da CineCastro e Televox de A Princesa e o Cavaleiro, de Ligeirinho em Ligeirinho e Seus Amigos e na primeira dublagem de Looney Tunes, e o Patinho Duque em Tom e Jerry, no episódio em que Cordélia cantou pelo pato, a música "Bom Dia Pra Você".

 

 

Ligeirinho

 

Cordélia veio a falecer no dia 13 de Fevereiro de 2016, aos 90 anos de idade, de um infarto em sua casa enquanto dormia.

 

Essa é mais uma talentosa rádioatriz e dubladora que ajudou a escrever um pouco da história do rádio e da dublagem brasileira.


Trabalhos:

 
- Sumire Hoshino / Parco (primeira voz) em Super Dínamo
- Mike Benedict (Kevin Tate) em As Sete Faces do Dr. Lao
- Ching (segunda e mais frequente voz) em A Princesa e o Cavaleiro (CineCastro / Televox)
- Ligeirinho em Ligeirinho e Seus Amigos e Looney Tunes (Primeira Dublagem)
- Piu-Piu em Looney Tunes (CineCastro)
- Billy em Marmaduke
- Um Dos Besouros em A Polegarzinha (Longa-Metragem)

- Trixie (primeira voz) em Speed Racer (Primeira Dublagem)

- Patinho Duque em Tom e Jerry (CineCastro)

 

Fontes: Wikipédia, Super Rádio Tupi, O Cruzeiro, Diário Carioca, Revista do Rádio, Jornal do Brasil, A Scena Muda, A Noite, Danilo Andrade.