Dubladores

Ida Gomes


Arquivo de Som:

 
Madame Medusa em Bernardo e Bianca (Longa-Metragem)


 
Biografia:

 
Ida Gomes foi uma dubladora Carioca.
 
Ida Szafran nasceu em 25 de Setembro de 1923 em Kraśnik, Polônia. Mudou-se com seus pais para Paris, França com apenas 1 ano de idade fugindo da perseguição nazista em seu país. Em Paris estudou em uma escola que ficava próxima a Catedral de Notre Dame. Concluiu o primário aos 13 anos de idade, fez o exame de admissão para poder cursar o ginásio e partiu para o Brasil com a família.

 

Quando já estava há 2 anos no Rio de Janeiro com seus 15 anos em 1938, Ida ingressou em um programa de rádio por pedido de sua mãe, chamado Em Busca de Talentos, da recém inaugurada Radio Nacional que tinha apenas 2 anos de existência. Nesse programa que tinha a supervisão de Celso Guimarães, Ida recitou o Poema de Pedro Medeiros chamado Súplica do Menino Pobre, ganhando o concurso. Após isso concluiu o ginásio e se formou em contadora. Em 1941 quando já estava trabalhando a 3 anos como secretária em um colégio, soube da existência de um programa chamado Teatro de Peneira, na Rádio Educadora, no qual fez a sua inscrição e foi aprovada. Programa de Átila Nunes que também trouxe na mesma época de Ida outras rádioatrizes que se tornariam famosas, como Amélia Ferreira, Amélia Simone e Maria do Carmo.

 

Em 1942 ingressou na Companhia Ótica Brasil que fazia novelas no rádio, participando de um faroeste famoso chamado Jóia. Foi ao ouvir essa novela que Olavo de Barros, diretor de rádioteatro da Rádio Tupi percebeu a veia interpretativa de Ida e a ofereceu um contrato. Ida aceita e trabalha um tempo na emissora.

 

Na emissora, é aconselhada pelo diretor de rádio-novelas Floriano Faissal a mudar seu nome de Ida Szafran para Ida Gomes, por seu sobrenome não ser comum no Brasil. Uma modificação que era habitual na época.

 

Um tempo depois muda-se para a Rádio Jornal do Brasil, indo para a Tamoio em seguida e finalmente para a Rádio Globo. Na emissora atuou por muitos anos. Um tempo mais tarde ganhou uma bolsa de estudos para os Estados Unidos, e mudou-se para lá por 6 meses. Seu sonho sempre foi visitar Nova York, e o concretizou, podendo ter frequentado a Broadway, e ter podido ver espetáculos de atores como Charles Boyer e Jean Louis Barrault. Também esteve em Washington por duas semanas, e posteriormente duas semanas no Canadá, uma em cada cidade que visitou, Toronto e Montreal, retornando em seguida ao Brasil. Com a viagem pode aperfeiçoar seu inglês, juntando-o com as duas outras línguas que também era fluente, aumentando assim seu currículo como atriz.

 

De volta ao Brasil volta a trabalhar na Rádio Globo ficando apenas 6 meses na emissora e retornando a Rádio Tupi, emissora na qual fez carreira de quase 20 anos.

 

Em Outubro de 1950 assume a direção de rádio-teatro na Rádio Tupi.

 

Em 1951 estréia na novela da Tupi, Ilusão do Poder, de J. Silvestre ao lado de Maria do Carmo, Paulo Porto, Teófilo de Barros e Amélia Simone.

 

No mesmo ano vai para Londres aperfeiçoar sua arte dramática trabalhando como contratada na BBC de Londres. Retorna em 1952 para o Brasil, e volta a trabalhar na Rádio Tupi.

 

Em 1953 ingressa na Tv Tupi, participando entre outros do Grande Teatro Tupi, dirigido por Sérgio Brito, e posteriormente por Carlos Lage, do Teatro de Comédia, do programa Câmera Um, dirigido por Jacy Campos, do programa História do Teatro Universal, além de também ser usada na emissora como declamadora. Entre novelas e peças de teatro estreou em produções como Medéia, Catarina da Rússia, A Sombra, Os Inimigos Não Mandam Flores, entre muitos outros.

 

Em 1953 na TV Tupi estréia sua primeira participação em telenovelas, na novela Coração Delator, de Chianca de Garcia, ao lado de Avalone Filho, Fregolento, Lourdes Mayer e Paulo Porto.

 

Também 1953 participa na Rádio Tupi da adaptação do romance de Vanda Fablan, A Carne Eterna, adaptada por Castro Gonzaga e ao lado dos rádioatores Paulo Porto, Paulo Moreno, Neyda Rodrigues e Nádia Maria.

 

Em 1954 estréia na peça teatral Desse Amor Se Morre, original de Dias Gomes e adaptação de Rodolfo Mayer para sua companhia Rodolfo Mayer & Seu Teatro, com o elenco de Rodolfo Mayer, Lourdes Mayer, Luiza Nazaré, Mário Lago e Zilca Salaberry, com apresentação no Teatro Dulcina.

 

Em 1955 surge na Tupi a rádionovela Maria e Outras Mulheres, de Edgard G. Alves, ao lado de Paulo Moreno, Paulo Porto e Lourdes Mayer.

 

Em 1956 começou a participar todas as segundas-feiras do programa Teatro Gebara, na ocasião iniciando no lugar de Heloísa Helena que havia se afastado da carreira artística.

 

Também em 1956, estréia em outra companhia de teatro, a Companhia Tônia-Celli-Autran.

 

Ainda em 1956 começou a participar do programa Pensão da Marinela na Tv Tupi.

 

O Primo da Califórnia de 1957

 

Em Abril de 1957 estreou na peça O Primo da Califórnia, de Joaquim Manuel de Macedo com direção de Alfredo Souto de Almeida, com o elenco de Sebastião Vasconcelos, Hamilton Ferreira, Fredy Amaral, Roberto de Cleto, Luís Oswaldo, Ezequias Marques Jr. e Othon Bastos.

 

Em 1957 também estréia Rádio Tupi na novela de Edgard G. Alves, A Ciranda, ao lado de Ribeiro Fortes. No mesmo ano estréia em outra novela de Edgard G. Alves chamada Depois do Túnel, ao lado de Rodolfo Mayer, Lourdes Mayer, Ioná Magalhães e Wilton Franco.

 

Ida Gomes como Irma Tereza em Canção de Bernardete

 

Na Tv Tupi em 1957 estreou na novela A Canção de Bernardette, com direção de Paulo Porto, ao lado de Nair Amorim, Norma Blum, Aracy Cardoso, Ribeiro Fortes, D'Andréa Netto, Alberto Perez, Dary Reis e Zilka Salaberry. No mesmo ano também participou da novela Rebecca na emissora.

 

Em 1958 no programa da Tv Tupi, Teatro de Equipe participa da peça Czarina de Joseph Kesselring em uma tradução de Raimundo de Magalhães Junior, sob a direção de Ribeiro Fortes e com o elenco de Carlos Alberto, Aliomar de Matos, Jomeri Pozzoli, Dary Reis, Herval Rossano, Heitor Dias e Ribeiro Fortes.

 

Também em 1958 participou da novela da Rádio Tupi de Edélzia dos Santos chamada Das Pedras Nascem Flores, ao lado de Avalone Filho.

 

Ainda no ano de 1958 é eleita como melhor atriz do ano pela Revista Radiolândia. O prêmio era um MIcrofone de Ouro, que foi entregue pelas mãos da cantora Julie Joy.

 

Ida Gomes recebe o prêmio Microfone de Ouro das mãos da cantora Julie Joy. Fotógrafo não identificado. Cedoc-Funarte

 

Ainda em 1858 participa do Tele-Teatro da Tupi, Abaixo da Média, ao lado de Paulo Porto. De autoria de Nicholas E. Baher e direção de Maurício Sherman. Ainda na Tupi estreou no mesmo ano na peça Esquina Perigosa com direção de Maurício Sherman fazendo parte do programa Teatro de Equipe, ao lado do elenco de Paulo Porto, Ioná Magalhães, Daniel Filho, Heloísa Helena e Morina Haddad.

 

No mesmo ano estréia na novela de Aparecida Menezes na Rádio Tupi chamada Terra Alheia, ao lado de Avalone Filho.

 

Ednar Martins, Ida Gomes e Paulo Porto na inauguração do transmissor de alto alcance da Rádio Tupi

 

Em 1959 Ida foi a protagonista de diversas novelas na Rádio Tupi, entre elas a novela de Ciro Bassini, O Espetáculo Continua, ao lado de Amélia Simone, Paulo Moreno, Lauro Fabiano, Sônia Barreto e Teresinha Castro, Silêncio! Está no Ar..., também de Ciro Bassaini, ao lado de Paulo Porto, Paulo Maurício e Ribeiro Fortes, A Mulher Que Veio de Longe, de Hélio Tys, com Cleonir dos Santos, Nair Amorim, Norka Smith e Silvia Maria, A Última Esperança, de José Fernandes, ao lado de Carlos Alberto, Norka Smith, Radamés Celestino, Silvia Maria e Honório de Souza, Corações Humanos, de Jenny Fontes para o Teatro das Cinco, e Ária na Corda, de Raimundo Lopes, com Norka Smith, Paulo Porto, Paulo Maurício, Paulo Moreno, Silvana Lopes, Cleonir dos Santos e Luiza Nazareth.

 

Neide Aparecida, Scassa, Nádia Maria, Corrêa de Araújo, Norma Blum, A. Seabra, Ida Gomes e Raimundo Lopes para receberem a medalha da premiação da Revista do Rádio das mãos de Juscelino Kubichek em 1960

 

No mesmo ano de 1959, Ida Gomes ganha o prêmio de melhor rádioatriz do Brasil pela Revista do Rádio, a maior revista do país sobre o tema.

 

Jomeri Pozzoli e Ida Gomes no Teleteatro da Tv Tupi em 1959

 

Na Tv Tupi estréia em 1959 na novela de Ribeiro Fortes, O Rosário, ao lado de Paulo Goulart, Joyce de Oliveira e Miguel Rosenberg.

 

Em 1960 participa de diversas novelas, entre elas a novela de Jenny Fontes, Entre o Branco e o Vermelho, ao lado de Paulo Moreno, Carlos Alberto e Ioná Magalhães, e Stella Dallas, um romance americano com Aldo César, Sônia Barreto, Suely May, Norka Smith, Silvana Lopes e Heitor Dias.

 

No mesmo ano estréia na Tv Tupi na novela A Mulher Que Veio de Londres, de Carlos Frias, ao lado de Roberto Duval e Herval Rossano.

 

Em 1960 também recebeu outro troféu como melhor rádioatriz do país, o troféu Uh da revista Última Hora, que premiou os melhores do ano no cinema, rádio, teatro, televisão e nos discos musicais.

 

Também em 1960 ingressa na Tv Continental.

 

Em 6 de Outubro de 1961 estreou no Teatro Tijuca a peça de Nazareno Tourinho, Nó de Quatro Pernas, com direção de Ribeiro Fortes e com o elenco de Elza Martins, Leda Maria, Norka Smith, Terezinha Moreira, Lauro Fabiano, Alberto Herrera, Orlando Tavares e Edio Guerra.

 

Aérton Perlingeiro observa Lourdes Mayer e Ida Gomes sendo entrevistadas por Paulo Porto na Tv Tupi

 

Em 1963 no Teatro, encenou uma versão musical e moderna de A Paixão de Cristo, chamada A Paixão, de Luis Peixoto, com produção de Orlando Miranda, direção de José Renato, e direção musical do Maestro Edino Kroger. No elenco Paulo Porto como Jesus, Glauce Rocha como Maria, Lourdes Mayer como Madalena, Magalhães Graça como Pilatos, Hélio Carvalho como Judas, Ida Gomes como Verônica e Gracinda Freire como a terceira Corifeu, além de outros artistas, totalizando 40 pessoas no elenco.

 

Também 1963 estréia em seu primeiro longa-metragem chamado Bonitinha Mas Ordinária, ao lado Jece Valadão, Odete Lara, Lia Rossi, Fregolente e André Villon.

 

Ida Gomes junto de sua mãe, que foi escritora na Polônia e na França

 

Em 1967 integra o elenco do filme O Mundo Alegre de Helô, ao lado de Irene Stefânia, Luis Pellefrini, Célia Biar, Márcia de Windsor, Fregolente, Jorge Dória, Cláudio Marzo, Ary Coslov, Jaime Filho, Cyl Farney e Cláudio Corrêa e Castro.

 

Em 1967 entrou para a Rede Globo aonde fez uma extensa carreira de mais de 40 anos nas novelas, começando em A Rainha Louca ao lado de Nathália Timberg, Rubens de Falco, Theresa Amayo, Cláudio Marzo, Paulo Gracindo e Ana Ariel.

 

Em 1968 atuou na Rede Globo nas seguintes novelas A Gata de Vison como Tarcísio Meira, Yoná Magalhães, Fábio Sabag e Jayme Barcellos, e A Ponte dos Suspiros com Carlos Alberto, Yoná Magalhães, Jardel Filho, Mário Lago, Carlos Vereza e Ary Fontoura.

 

Ainda em 1968 atua no programa humorístico da Tv Tupi de Max Nunes, Ali Babá e Os 40 Garções, ao lado de Hamilton Ferreira Alda Cotrim.

 

Ambrósio Fregolente e Ida Gomes em A Penúltima Donzela

 

Em 1969 participou do filme A Penúltima Donzela com Adriana Pietro, Paulo Porto, Carlo Mossy, Djenane Machado, Ambrósio Fregolente, Beatriz Veiga e Abel Pêra.

 

Ida Gomes em Verão Vermelho em 1970

 

No mesmo ano atuou nas seguintes novelas na Rede Globo, A Última Valsa com Cláudio Marzo, Theresa Amyo, Norma Blum, Glauce Rocha e Rubens de Falco, Véu de Noiva com Regina Duarte, Cláudio Marzo, Betty Faria, Cláudio Cavalcanti e Ênio Santos, e Verão Vermelho em 1970: Dina Sfat, Paulo Houlart, Jardel Filho, Mário Lago e Maria Cláudia.

 

Em 1970 estreou nas novelas Pigmalião 70 como Sérgio Cardoso, Tônia Carrero, Susana Vieira, Edney Giovenazzi e Wanda Kosmo, e A Próxima Atração com Sérgio Cardoso, Tônia Carrero, Armando Bógus, Susana Vieira, Irene Ravache e Bety Faria.

 

Em 1971 estreou na novela Homem Que Deve Morrer com Tarcísio Meira, Glória Menezes, Jardel Filho, Cláudio Cavalcanti e Dinas Sfat.

 

Em 1972 apareceu no programa Caso Especial, um programa como os antigo Teatros de Televisão. Ela participou em A Dama das Camélias com Cláudio Cavalcanti, Mário Lago, Glória Menezes, Murilo Nery e Roberto Pirillo,

e em 1974 das peças Enquanto a Cegonha Não Vem com José Wilker, Renata Sorrah, Ivan de Almeida e Rui Resende, e Feliz na Ilusão com Lélia Abramo, Edson França, Mário Lago, Álvaro Aguiar, Dorinha Duval e Macedo Neto.

 

Também em 1972, estreou na novela Selva de Pedra, ao lado de Regina Duarte, Francisco Cuoco, Dina Sfat, Carlos Vreza, Carlos Eduardo Dolabella e Mário Lago

 

Dirce Migliaccio, Ida Gomes, Paulo Gracindo e Dorinha Duval em O Bem-Amado em 1973

 

Em 1973 estréia na novela O Bem-Amado com um dos papeis de maior fama de sua carreira, interpretando a personagem Dorotéia Cajazeira, ao lado dos atores Paulo Gracindo, Lima Duarte, Zilka Salaberry, Dorinha Duval e Jardel Filho.

 

Fogo Sobre Terra surge em 1974, com a presença de Juca de Oliveira, Regina Duart, Dina Sfat, Jardel Filho, Fúlvio Stefanini, Marcos Paulo, Edson França, Sônia Braga, Herval Rossano e Neuza Amaral.

 

Em 1975 surge um novo longa-metragem, O Casal com José Wilker, Sônia Braga, Rui Resente, Susana Vieira, Fábio Sabag, Herval Rossano, Walter Avancini, Betty Faria e Ângela Leal.

 

Em 1975 surge as novelas Helena, como Lúcia Alves, Osmar Prado, José Augusto Branco, Rogério Farões e Carlos Duval, Senhora, com Norma Blum, Cláudio Marzo, Fátima Freire, Alberto Perez, Zilka Salaberry e Osmar Prado, e O Grito com Glória Menezes, Walmor Chagas, Yoná Magalhães, Leonardo Villar, Maria Fernanda, Rubens de Falco, Tereza Rachel, Elizabeth Savalla e Ney Latorraca.

 

Ida Gomes e Suely Franco em Estúpido Cupido

 

Em 1976 surge Estúpido Cupido, aonde atua ao lado de Leonardo Villar, Maria Daella Costa, Françoise Forton, Ricardo Blat , Ney Latorraca, João Carlos Barroso e Nuno Leal Maia, e O Casarão, novamente ao lado de Paulo Gracindo, e dos atores Yara Côrtes, Mário Lago, Paulo José, Aracy Balabanian, Rosi Campos, Renata Sorrah, Armando Bogus, Marcos Paulo, Bete Mendes e Daisy Licidi.

 

O filme O Seminarista estréia em 1977, e Ida atua ao lado de Louise Cardoso, Eduardo Machado, Raul Coerw, Liana Duval, Urbano Lões e Xandó Batista.

 

Ênio Santos e Ida Gomes em Dona Xepa em 1977

 

A novela Dona Xepa surge no mesmo ano, com a atuação de Yara Cortes, Ana Lúcia Torre, Rubens de Falco, Nívea Maria, Cláudio Cavalcanti, Ângela Leal e Reinaldo Gonzaga, além da estréia de uma das grandes novelas da emissora, O Astro, com Francisco Cuoco, Dina Sfar, Elizabeth Savalla, Tony Ramos, Tereza Rachel, Dionísio Azevedo, Rubens de Falco e Carlos Eduardo Dolabella.

 

A novela o Pecado Rasgado surge em 1978, com a atuação de Aracy Balabanian, Juca de Oliveira, Renée de Vielmond, Armando Bógus e Renata Fronzi.

 

O filme Amante Latino surge em 1979, com Sidney Magal, Monique Lafond, Angelina Muniz e ao lado do irmão Felipe Wagner.

 

Em 1980 surge a famosa série O Bem-Amado, de Dias Gomes, com 4 anos de duração e com a atuação de Paulo Gracindo, Lima Duarte, Emiliano Queiroz, Diarce Migliaccio, Dorinha Duval, Kléber Macedo, Yara Côrtesa, Carlos Eaduardo Dolabella, Fátima Freire, Lutero Luiz e Suely Franco.

 

Com o término da série O Bem-Amado, Ida participa da novela Corpo a Corpo em 1984 ao lado do estreante como protagonista Antônio Fagundes, e dos atores Glória Menezes, Débora Duarte, Hugo Carvana, Flávio Galvão, Zezé Motta, Eloísa Mafalda e Malu Mader.

 

De Quina Pra Lua surge em 1985, ao lado do comediante Agildo Ribeiro, e dos atores Elizabeth Savalla, Milton Moraes, Wva Wilma, Paulo Betti, Hugo Carvana e Tamara Taxman.

 

Hipertensão é a novela que surge em 1986, com Paulo Gracindo, Cláudio Cavalcanti, Maria Zilda, ary Fontoura, Cláudio Corrêa e Castro, José Mauer, Paulo Betti, Carlos Eduardo Dolabella e Eloísa Mafalda.

 

No mesmo ano Ida participa da minisséries Memórias de Um Gigolô, ao lado de Lauro Corona, Bruna Lombardi, Ney Latorraca, Elke Maravilha, Zilka Salaberry, Oberdan Junior, Zé Trindade e Silveirinha.

 

Seu penúltimo filme surge em 1988, chamado Primeiro de Abril, Brasil, ao lado de Tessy Callado, Maria Letícia, Rosamaria Murtinho, Emiliano Queiroz e Melise Maia.

 

No mesmo ano atua na novela Vida Nova em 1988, ao lado de Yoná Magalhães, Nívea Maria, Carlos Zara, Osmar Prado, Lauro Corona, Daeborah Evelyn, Walmor Chagas e Paulo Figueiredo.

 

Em 1989 participou da série República, ao lado de Grande Otelo, Luís Antônio Pilar, Cosme dos Santos, Isabel Fillardis, Léa Garcia, Otávio Augusto, Nívea Maria, Sandra Annemberg e grande elenco.

 

A novela Top Model surgiu no mesmo ano, trazendo pela primeira vez como protagonista Malu Mader, ao lado de atores como Taumaturgo Ferreira, Nuno Leal Maia, Cecil, Thiré, Maria Zilda, Evandro Mesquita, Zezé Polessa, Eva Todor e Jonas Bloch.

 

Em 1990 atua na novela Gente Fina, com Nívia Maria, Hugo Carvana, Sandra Bréa, Guilherme Fontes, Othon Bastos e José Lewgoy.

 

Na década de 1990, teve um ritmo reduzido de participações em novelas, como De Corpo e Alma em 1992 ao lado de Cristiana Oliveira, Tarcísio Meira, Victor Fasano, Beatriz Segall, José Mayer, Maria Zilda Bethlem, Betty Faria, Bruna Lombardi, Carlos Vereza, Stênio Garcia, Nathália Timberg, Eva Todor e Hugo Carvena, Cara e Coroa em 1995 junto com Christiane Torloni, Victor Fasano, Miguel Falabella, Luís Mello, Lúcia Veríssimo, Marcos Paulo e Loise Cardoso, Era Uma Vez em 1998 ao lado de Herson Capri, Drica Moraes, Andréa Beltrão, Daborah SAecco, Cláudio Marzo, Elias Fleizer e Nair Bello, e Força de Um Desejo em 1999 novamente ao lado de Malu Mader como protagonista, seguida dos atores Fábio Assunção, Cláudia Abre, Nathalia Timberg, Lavínia Vlasak, Selton Mello e Paulo Betti.

 

Em 2001 participa do filme Copacabana ao lado de Marco Nanini, Miriam Pires, Laura Cardoso, Walderez de Barros, Felipe Wagner, Renata Fronzi, Luís de Lima, Pietro Mário, Ilka Soares e Rogéria.

 

Deborah Secco e Ida Gomes em Pé na Jaca em 2006

 

Nos anos 2000 teve uma participação maior nas novelas do que na década de 1990, com em A Padroeira em 2001, ao lado de Debora Secco, Luigi Baricelli, Maurício Mattar, Patrícia França, Luís Melo, Othon Bastos, Elizabeth Savalla, Paulo Goulart e Susana Vieira, Desejos de Mulher em 2002 com Regina Duarte, Alessandra Negrini, Glória Pires, Herson Capri, Eduardo Moscovis, José de Abreu, Mel Lisboa, José Wilker, Renata Sorrah e Drica Moraes, Da Cor do Pecado em 2004 ao lado de Taís Araújo, Reinaldo Gianecchini, Fiovanna Antonelli, Rosi Campos, Aaracy Balabanian e Lima Duarte, A Lua Me Disse em 2005 ao lado de Adriana Esteves, Monique Alfradique, Wagner Moura, Zezé Polessa, Marcos Pasquim, Arlete Salles, Débora Bloch e Natália Lage, Bang Bang também em 2005 ao lado de Bruno Garcia, Fernanda Lima, Carol Castro, Giulia Gam, Marco Ricca, Alinne Moraes, Gilherme Berenguer, Daniele Suzuki, Mauro Mendonça, Marisa Orth e Ney Latorraca, Pé na Jaca em 2006 com Murilio Benício, Deborah Secco, Juliana Paes, Fernanda Lima, Marcos Pasquim, Flávia Alessandra e Bruno Garcia, e Duas Caras em 2007 ao lado de Marjorie Estiano, Dalton Vigh, Antônio Fagundes, Alinne Moraes, Renata Sorrah, Susana Vieira, Flávia Alessandra, Lázaro Ramos, Débora Falabella, José Wilker, Betty Faria, Marília Pêra e Stênio Garcia.

 

Em 2003 Ida participa do filme internacional italiano, aonde faz uma velha judia em um cemitério. O filme se chama My Father, Rua Alguém 5555, e tem no elenco nomes do cinema americano como Thomas Kretschmann, Charlton Heston, F. Murray Abraham, e de brasileiros como Isaac Bardavid, Odenir Fraga, Marcos Breda, Haroldo Costa e Waldyr Sant'Anna.

 

Heloísa Perissé, Ingrid Guimarães e Ida Gomes em Sob Nova Direção em 2006

 

Em 2006 participou da minissérie Jk, ao lado dos atores José Wilker, Marília Pêra, Wagner Moura, Debora Falabella, Caco Ciocler, Deborah Eavelyn e Júlia Lemmertz, além disso participou no mesmo ano de um episódio do seriado Sob Nova Direção.

 

Seu último filme foi O Amigo Invisível em 2006, ao lado de Ana Barbosa, Ricardo Blat, Neuza Borges, Cacá Bueno, Carequinha e Isabela Garcia.

 

Alessandra Maestrini, Ida Gomes, Zezé Motta, Eliana Pittman e Rogéria na peça O Retorno de 7 - O Musical

 

Um dos seus últimos trabalhos foi também em 2006 no musical O Retorno de 7 - O Musical, com criação de Charles Moeller e Claudio Botelho, ao lado de Alessandra Maestrini, Zezé Mota Eliana Pittman, Rogéria, Gottsha, Marya Bravo, Alessandra Varley e Jarbas Homem de Mello.

 

Em toda a sua carreira Ida fez diversos tipos de personagens. Na época do rádio ficou muito conhecida com as vilãs que faziam, trazendo tenção para os ouvintes que muitas vezes ligavam para a atriz com raiva da maldade de sua personagem, de tão ótima atriz que era. Já na televisão, ficou muito conhecida pelas diversas participações como freira Irmã Tereza em novelas, como na novela de 1957 A Canção de Bernadete, que eternizou a atriz nesse estilo de papel, seguindo de outras participações do gênero como a Madre Encarnacion em Estúpido Cupido em 1976, a Irmã Maria na minissérie Jk em 2006, a Madre em Pé na Jaca também em 2006, e diversas outras participações do gênero em novelas e séries na televisão.

 

Ida Gomes é irmã do também ator Felipe Wagner que também atuou no Rádio, Televisão, Cinema e Dublagem, e algumas vezes trabalhando junto com a irmã, como foi na dublagem de Bernardo e Bianca em 1978, atuando no filme Amante Latino em 1979, e no filme Copacabana em 2001, entre outros.


Na dublagem entrou no início dos anos de 1960, levada por Carla Civelli à CineCastro. Posteriormente passou por todos os principais estúdios do Rio. Entre eles pela Tv Cinesom, Riosom, Herbert Richers, Tecnisom, entre outras.
 

Madame Medusa em Bernardo e Bianca


Sua voz foi muita famosa em longas-metragens da Disney como Madame Kim em Espada Era a Lei, Madame Medusa em Bernardo e Bianca, entre outros.

 

Bette Davis em A Malvada


Em filmes dublou a atriz Bette Davis em A Malvada, A Festa de Casamento e Vitória Amarga, também fez Joan Crawford em Espetáculo de Sangue, Fogueira de Paixões e O Monstro da Caverna, entre outros.

 

"Fiz dublagem durante muito tempo, mas estou parada há nove anos. Dublei, entre outras, a Bette Davis e a Joan Crawford. Mas quando fui dublar o filme O Que Aconteceu Com Baby Jane?, fiquei com a Bette Davis e a Ana Ariel fez a voz da Joan Crawford. Acho que a renovação é necessária. As pessoas estão enjoadas de ouvir sempre as mesmas vozes." Ida Gomes para o Jornal do Brasil em 1989

 

Permaneceu na dublagem até 1980, quando se afastou para se dedicar apenas a dramaturgia. Sua atriz carro-chefe na dublagem, Bette Davis, após sua saída fica a cargo de Ilka Pinheiro.
 
Veio a falecer em 22 de Fevereiro de 2009 no Rio de Janeiro, de pneumonia, deixando um legado na rádio, na televisão e na dublagem, sempre com um brilhantismo e uma dedicação única.

 
Trabalhos:

 
- Bette Davis em A Malvada, A Festa de Casamento, O Que Terá Acontecido a Baby Jane? e Vitória Amarga
- Edna (Cheri Maugans) em Sexta-Feira 13 - Parte 3
- Irmã Maria Teresa Vauzous (Gladys Cooper) em A Canção de Bernadete
- Madame Medusa em Bernardo e Bianca (Longa-Metragem)
- Tia Esponja (Miriam Margolyes) em James e o Pêssego Gigante
- Madame Kim em A Espada Era a Lei (Longa-Metragem)

- Plimsoll (Elsa Lanchester) em Testemunha de Acusação (1ª Dublagem)

- Pilar (Katina Paxinou) em Por Quem Os Sinos Tocam (1ª Dublagem)

- Joan Crawford em Espetáculo de Sangue, Fogueira de Paixões e O Monstro da Caverna

- Tia Lavinia Penniman (Miriam Hopkins) em Tarde Demais (1ª Dublagem)

- Bernice Edgar (Louise Latham) em Marnie - Confissão de Uma Ladra (1ª Dublagem)

- Louisa Bradley (Lucile Watson) em O Fio da Navalha
- Lena Gogan (Shelley Winters) em Meu Amigo, o Dragão
- Emily Baldwin (Mary Jackson) em Os Waltons
- Lena Engstrom (Lotte Stein) em Desejo Atroz
- Madame Medusa em Bernardo e Bianca
- Prissy em Dumbo (2ª Dublagem)

 

Fontes: Wikipedia, Imdb, Revista do Rádio, Última Hora, A História da Dublagem, Augusto Bisson, Jornal do Brasil.