Matérias

Chaves

Enviado em 18/12/2011

El Chavo Del 8 foi criado em 1971 por Roberto Gómez Bolaños aparecendo dentro do Programa Chesperito na Televisión Independiente de México, e depois se tornando uma série independente. O personagem que dava nome ao seriado humorístico, foi criado em 1969 por Roberto Bolaños também dentro do Programa Chesperito, no qual atuava ao lado de Ramon Valdez, Edgar Vivar e outros comediantes. Em 1971 tem a idéia de criar uma série própria para esse personagem e convida os amigos comediantes que trabalhavam consigo em seu programa, e outros comediantes mais, e inicia a série. Em 1973 a Televisión Independiente de México se funde a emissora Telesistema Mexicano, criando a Televisa. Automaticamente o seriado é transferido para essa nova emissora, sendo filmado e exibido até 1980. O nome El Chavo Del 8, é uma referencia ao numero do canal em que era exibido, o canal 8. Quando o programa foi transferido para a Televisa, foi mantido o 8 no título, agora dando referencia ao suposto numero da casa em que Chaves morava na vila.

 

 

A série contava a história de um menino pobre chamado Chaves que vivia em uma vila dentro de um barril, que adorava brincar com as crianças que moravam na vila, que estava sempre com fome e que vivia apanhando do seu Madruga por sempre dizer coisas que não devia. Na vila moravam várias pessoas, dentre elas Seu Madruga, sua filha Chiquinha, Dona Florinda, seu filho Quico e Dona Clotilde.

 

 

Seu Madruga estava sempre desempregado fazendo bicos para conseguir o pão de cada dia, e devia 14 meses de aluguel para o dono da vila, o Senhor Barriga, também vivia apanhando da Dona Florinda por ela achar que ele sempre batia em seu filho, o que quase sempre era mentira.

 

 

Seu Madruga tinha uma filha muito arteira chamada Chiquinha, que tinha Chaves e Quico como seus melhores amigos.

 

 

Quico, filho da dona Florinda era um menino mimado e rico, e adorava esnobar o Chaves com seus brinquedos caros, mais que no fundo era um bom menino que adorava seus amigos.

 

 

Dona Florinda é a viúva da vila, depois de perder seu marido em um naufrágio, cuida de seu filho sozinha e se apaixona pelo professor de seu filho, o Professor Girafales, o Professor Girafales por sua vez também era apaixonado por ela, e todas as vezes que a vinha visitar, faziam o mesmo ritual de sempre, ele trazia flores, e ela oferecia o café, e toda a cordialidade mais que todos já conhecem.

 

 

O Professor Girafales era solteiro e era o professor das crianças da vila e da região, tomava conta sozinho da escola, sendo professor e diretor, era muito inteligente, porem arrogante demais, as vezes entrando em brigas que não o diziam respeito.

 

 

Seu Barriga alem de dono da vila era pai de Nhonho, amigo de Quico, Chaves e Chiquinha, e sempre levava uma cacetada do Chaves quando entrava na vila para pagar o aluguel.

 

 

Nhonho era outro menino mimado, mais esse por sua vez mais humilde, apesar de não ter muita paciência quando as pessoas não entendiam as coisas.

 

 

Dona Clotilde era uma senhora que morava sozinha no 71, as crianças a chamavam de bruxa, e isso dava muitas confusões. Ela era apaixonado pelo Seu Madruga, e seu sonho era se casar com ele, mas ele não podia nem pensar nessa história.

 

 

Jaiminho era o carteiro da vila, sempre com uma bicicleta e cansado, vinha a vila entregar as cartas, porém sempre pedia para os outros procurarem suas cartas em sua bolsa porque dizia que não queria fazer esforço por causa da fadiga. Também vivia dizendo que morava em Tangamandápio e que era Tangamandápiano. Alem disso não sabia andar de bicicleta, e vivia com ela pra cima e pra baixo só para não ser demitido.

 

 

Dona Neves era a avó de Seu Madruga, e vinha visita-lo de vez em quando. Com a saída de Ramon Valdez da série, ela se tornou fixa, tomando conta de sua bisneta, Chiquinha. Ela, ao contrário de outras senhoras era bem agitada, e nunca fugiu de uma boa briga. Também era vitima de muitos trocadilhos por causa de sua idade.

 

 

Havia outros personagens não muito atuantes, como Popis, que era sobrinha da Dona Florinda, que tinha a voz fanha e que vivia dizendo "conta tudo pra sua mãe". Godinez era um aluno que sentava no fundo da sala, sempre detraído e mal nas matérias, era o primeiro a sair da sala na hora do recreio e sempre se saia bem nas perguntas que o professor lhe fazia.

 

 

Havia também uma vizinha que se mudou para vila no decorrer da série chamada Glória, e que tinha uma sobrinha chamada Paty, as duas despertavam muita admiração por parte de Seu Madruga e de Chaves.

 

O grupo de atores que eternizaram esses personagens são até hoje um dos mais talentosos que já surgiu no mundo da comédia. A baixo a lista de ator e personagem principais da série.

 

Roberto Gómes Bolaños como Chaves

Florinda Meza como Dona Florinda e Popis

Ramon Valdez como Seu Madruga

María Antonieta de Las Nievas como Chiquinha e Dona Neves

Carlos Vilagrán como Quico e Frederico

Edgar Vivár como Seu Barriga e Nhonho

Rubén Aguirre como Professor Girafales

Angelines Fernández como Dona Clotilde

Raul Padilla como Jaiminho

Horacio Gómes Bolaños como Godinez

 

No Brasil a série chegou em 1984 trazida pelo Sbt e distribuída pela distribuidora da Televisa no Brasil. A Série fez e faz muito sucesso no Brasil até hoje, sendo o programa a mais tempo reprisado em toda a história da televisão brasileira.

 

Marcelo Gastaldi

 

Ao chegar ao Brasil, o Sbt manda a série para a empresa de dublagem Maga, que a partir daquele momento marcaria Chaves para sempre. A empresa localizava-se no Sbt, no Carandiru em São Paulo, o dono e diretor de dublagem da empresa era o ator e dublador Marcelo Gastaldi, que fica responsável pela série. Primeiramente adapta o nome do seriado e do personagem principal para Chaves, apenas traduzindo a palavra para o português, e no titulo tirando o "Del 8", por não condizer com o Brasil, também modificando o nome de outros personagens, como Don Ramon que no início era chamado de Seu Ramon, mudança essa feita pelo fato do termo "Don" ser o termo feminino de "Donã" (no Brasil, Dona) no México, já aqui no Brasil o termo é usado como "Seu". Depois seu nome é modificado para Seu Madruga. A mudança de Ramon para Madruga não sabemos o porque, mas acreditamos que seja pelo fato do nome original ser um nome pouco comum no Brasil. A personagem Chilindrina no começo era chamada de Francisquinha, depois mudaram para Chiquinha, pois perceberam que ficaria um nome melhor para a personagem e também pela questão do nome caber na boca da personagem na hora de dublagem, pelo nome ter quase a mesma extensão do nome original.

 

Marcelo Gastaldi também é o responsável pela escalação do elenco de dublagem, chamando muito bons profissionais da época e também escolhendo o timbre certo para cada personagem.

 

Marcelo Gastaldi

 

Para o personagem Chaves se auto-escala, por saber que é um bom dublador na mudança de voz, o que no caso do Chaves exigia uma voz mais infantil. Foi o dublador perfeito para o personagem, até mesmo quando Roberto Bolaños fazia o papel de Chapolin e usava sua verdadeira voz. Os bordões "foi sem querer querendo" e "ninguém tem paciência comigo" foram adaptados por Gastaldi ao personagem, se tornando esse um dos bordões mais famosos do país.

 

Nelson Machado

 

Para o personagem Quico fez vários testes até perceber que Nelson Machado era o dublador mais adequado para o personagem. Com todos aqueles trejeitos criado em cima do personagem original, Nelson Machado conseguiu passar da melhor forma possível o que o personagem queria dizer. Foi ele quem adaptou o "cale-se, cale-se, cale-se, você me deixa louco", "gentalha, gentalha", e é claro a risada inesquecível do Quico.

 

Osmiro Campos

 

Para o Professor Girafales no início Marcelo escalou o dublador Potiguara Lopes, que o fez nos primeiro episódios. Depois Potiguara sai do personagem e Gastaldi escala Osmiro Campos, a voz mais perfeita para o Professor Girafales.

 

Carlos Seidl

 

Para o Seu Madruga, chamou Carlos Seidl, que eternizou o Seu Madruga no Brasil com os mais diversos bordões como "que que foi, que que foi, que que há", "só não te dou outra porque...", "como vai senhor cabelo, vamos cortar a barriga?", "digo, digo", "chapéu, sapato ou roupa usada quem tem", entre outros.

 

Sandra Mara Azevedo e Cecília Lemes 

 

Para Chiquinha, Marcelo escala a novata Sandra Mara Azevedo, que dubla a personagem por vários episódios, mais que sai de seu personagem e da dublagem um tempo depois, para se casar e ir morar na Itália, o diretor da série nessa época, escala Cecília Lemes, que já fazia a personagem Paty na época, e que tem a voz muito semelhante a de Sandra, o que inclusive faz muitos fãs pensarem que a Chiquinha teve apenas uma voz. As duas vozes ficaram muito boas para a personagem, porem por Cecília ter dublado mais tempo a personagem do que Sandra, ele é a dubladora mais imortalizada pelos fãs. Sandra e Cecília também dublaram a personagem Dona Neves, foi Sandra que adaptou o bordão "que que que, como!?" e a risada "tche tche tche". No caso dessa personagem se inverte a preferência dos fãs, eles guardaram mais a interpretação de Sandra na Dona Neves, do que a de Cecília.

 

Mário Vilela

 

A voz de Nhonho e Seu Barriga, fica a cargo do amigo de Marcelo e dublador Mário Vilela, que dublava muito no estúdio e que deu o tom perfeito aos personagens, ao Seu Barriga aquele tom forte e os gritos e ao Nhonho a voz embargada e fanha.

 

Marta Volpiani

 

Para a Dona Florinda, convidaram a atriz de novelas do Sbt, Marta Volpiani, que caiu como uma luva para a personagem, a marcando no Brasil. Lembramos aqui de um dos bordões de Dona Florinda quando estava procurando seu filho "Quico, Tezouro, Querubim, Rei, Príncipe". Marta também fez a personagem Popis na série, fazendo uma voz fanha à personagem.

  

Helena Samara

 

Para Dona Clotilde foi escalada a veterana dubladora Helena Samara, que também deu o tom certo a personagem. Também tem alguns bordões como "volte a me chamar de bruxa", "oh, senhor madruguinha" e "ai minha nossa".

 

Older Cazarré

 

O veterano ator e dublador Older Cazarré foi escalado para fazer o cançado e preguiçoso carteiro Jaiminho, dando aquele tom calmo que tem na voz, e o sutaque forte que caracteriza o personagem. Em apenas um episódio foi dublado por Potiguara Lopes, o qual nós não sabemos o porque.

 

Silton Cardoso

 

O novato Silton Cardoso é escalado para dublar o personagem Godinez, afinando a voz para interpreta-lo. Também dubla o ator em participações em Chapolin, já com sua voz natural. Ele eternizou bordões com o Godinez, como "não fui eu" e "mais porque se ainda não hora do intervalo".

 

 

Os primeiros episódios dublados da série, o estúdio ainda não contava com uma boa sonoplastia, por ser pequeno e ter poucos recursos, por isso havia muito eco nos primeiros episódios. Outro fato curioso é que as vozes de Quico, Chiquinha e Chaves eram diferentes nos primeiros episódios, por conta dos seus dubladores ainda não terem pego a voz certa para seus personagens. Muitas outras coisas foram se adaptando com o passar dos episódios, o choro do Quico por exemplo Nelson Machado dava um choro normal ao personagem, depois que adaptou para "ariiiiiiiii". Sandra Mara no início em vez do choro "uaaaa uaaaaaa" que foi adaptado no decorrer da série, ela chorava lendo as letras do alfabeto "A, b, c, d, z". Acreditamos que todas essas mudanças também foram feitas pelos atores originais, que no começo lançaram bordões, gestos e timbres de vozes diferentes nos episódios pilotos, e aos poucos foram adaptando para uma melhor versão.

 

Na dublagem dos personagens secundários, também foram escalados bons dubladores, com boa interpretação e caída para a comédia.

 

Sandra Campos

 

Começamos com as vizinhas de Seu Madruga, Glória e Paty. Foram 3 atrizes que interpretaram a personagem Glória, Olivia Leiva, Regina Torné e Maribel Fernández, sendo Regina Torné a mais marcante. Para Regina escalaram uma dubladora com uma voz sedutora, e que deu o timbre certo a personagem, a já consagrada na época, Sandra Campos.

 

Cecília Lemes e Leda Figueiró

 

A personagem Paty, sobrinha de Glória, também foi interpretada por 3 atrizes, Rosita Bouchot, Ana Lilian de la Macorra e Verónica Fernández, sendo Ana Lilian a mais marcante. Já sua dubladora foi Cecília Lemes nos primeiros episódios, depois Leda Figueiró e uma dubladora desconhecida que dublou apenas na época das suas últimas participações.

 

Luiz Carlos de Moraes e Hector Bonilla

 

Ouve a participação do ator Hector Bonilla em um episódio da série, interpretando a sí próprio, também ouve a participação do personagem Seu Madróga interpretado por Germán Robles, e Seu Furtado interpretado por Ricardo de Pascual, ambos os 3 dublados por Luiz Carlos de Moraes.

 

José Soares e Ricardo de Pascual

 

O mesmo ator que interpretou o Seu Furtado, tempos depois aparece como o Garçom do Restaurante da Dona Florinda, nessa dublagem escalaram outro dublador, o veterano José Soares, que deu um timbre de puxa-saco e arrogante que o personagem tinha.

 

 

Ricardo de Pascual

 

Houve outra participação de Ricardo de Pascual na série, agora como comprador da vila chamado Sr. Calvilho, batizado pelas crianças de Seu Carequinha. Nessa aparição ele era dublado por Potiguara Lopes.

 

Outros dubladores fizeram pequenas pontas na série também, como o Policial do dia que o seu madruga está fazendo mágicas na rua, interpretado por José Luis Amaro e dublado por Olney Cazarré, e um freguês nervoso do Restaurante da Dona Florinda interpretado por Abraham Stavans e dublado por Fábio Vilallonga.

 

Apesar de Marcelo Gastaldi ter adaptado os nomes dos personagens e escalado o elenco de dublagem, a direção da série fica a cargo de Potiguara Lopes, depois sendo substituído por Osmiro Campos, pois Potiguara não estava dando conta de dirigir, traduzir e dublar o Professor Girafales ao mesmo tempo, o qual também passando seu personagem à Osmiro. Um tempo depois Nelson Machado fica responsável pela direção da série, sendo o responsável pela maior parte da direção dos episódios da série. Na tradução da série tivemos Potiguara Lopes no início e Nelson Machado em todo o resto da série.

 

Carlos Vilagrán saiu da série em 1977 e Ramon Valdez em 1979, durando apenas 1 ano mais a série após a saída de Ramon.

  

Houve uma continuação de Chaves na década de 1980, porem sem Carlos Vilagrán e Don Ramon, as histórias foram muito politicamente corretas, o escritor para a série não fazia boas histórias, alem dos atores estarem mais velhos, sem muita agilidade para fazer cenas inusitadas, e por tudo isso essa fase, que era exibida dentro do Programa Chespirito, e não mais em El Chavo Del 8, foi um fracasso. Chegou a vir para o Brasil, mas não teve muito sucesso. A dublagem também foi modificada, alguns dubladores já haviam falecido, outros não foram chamados, na redublagem houve mais ou menos a mesma coisa, mais de qualquer jeito não teve sucesso e logo saiu do ar, tanto na Cnt quando foi exibida em 1997 com a primeira dublagem com o nome de Chespirito, quanto em 2003 quando foi exibido no Sbt com a segunda dublagem com o nome de Clube do Chaves.

 

No Brasil, pelo incrível sucesso de Chaves nos anos de 1980, foram lançados discos com as músicas da série como Tchuin-Tchuin-Tchun-Clain de Chapolin, Que Bonita a Sua Roupa, dentre outras. O Lp conta com a produção do amigo e ex-companheiro de conjunto de Gastaldi, Mário Lúcio de Freitas, que produziu e compôs as musicas do disco, que foi lançado pela gravadora Polygram e gravado nos estúdios da Maga. O disco se trata de uma adaptação do original feita por Roberto Bolaños, apenas as músicas Aí Vem o Chaves, Quico, Chiquinha e Seu Madruga, são criações completamente brasileiras. As músicas Tchuin-Tchuin-Tchun-Clain e Que Bonita a Sua Roupa, já haviam ganhado uma versão em Chapolin e Chaves, cantada por todos os dubladores, inclusive Marcelo Gastaldi, porem para o Lp não chamaram os dubladores, os substituíram por um coral de crianças, permanecendo apenas Marcelo Gastaldi nessas músicas. A música Jovem Ainda, também não foi para o Lp, não sabemos porque. Ela foi uma das músicas mais famosas da série. Outras músicas de sucesso na série como A Brincar, Um Ano Mais e Boa Noite Vizinhança, também não estiveram no Lp.

 

01. Aí Vem o Chaves
02. Tchuin Tchuin Tchun Clain
03. Quico
04. Conto de Fadas
05. Chiquinha
06. Chaves, o Rei da Palhaçada (versão adaptada de Que Bonita Sua Roupa)
07. Barulhos da Cidade
08. Seu Madruga
09. Quero Viver Dançando
10. Amigos Palhaços

 

Em 1995 foi lançado o Disco, Discoteca do Kiko, do original Fiesta Con Kiko, já com o nome Kiko com K, pois os direitos do personagem eram de Roberto Bolaños, quando Quico saiu da série teve que mudar o nome para poder continuar usando o personagem. Disco lançado pela Paradox e produzido pelo Dj Iraí Campos, aonde Nelson Machado interpretada as músicas na voz de Kiko. Foram adaptadas todas as músicas do original para o Português. Nelson Machado já havia cantado antes em discos infantis na década de 1980.

 

01. Kiko Cola
02. Super Legal
03. Caramelo
04. Tudo Bom Bom
05. O Mundo é Lindão
06. Bambolê
07. Vem Comigo Ser Criança
08. Aeróbica
09. Festa do Kiko
10. Felicidade
11. Empine o Nariz

A série Chaves, até hoje marca milhares e milhares de pessoas, sejam crianças ou adultos, com sua ingenuidade e inteligência em suas piadas, um humor simples, usando poucos cenários, mas que é o elemento que falta hoje em dia nos programas de comédia, passar humor com simplicidade sem baixar o nível e ainda manter a inocência, esse tipo de humor não sai de moda jamais.

 

A dublagem da série, que ajuda em muito o sucesso no Brasil, é considerada hoje em dia a melhor e mais clássica dublagem do Brasil, apesar da baixa qualidade sonora do estúdios, e outros problemas técnicos que a dublagem da série encontrou, o grupo de dubladores que ali trabalharam, mostraram o quão profissionais são, conseguindo contornar todos esses problemas, e mostrar que independente das dificuldades, o que importa é a boa interpretação, sincronia e profissionalismo que demonstraram nessa obra, improvisos, adaptações, canções, deram um show de interpretação, mostrando o quão empenho todos tiveram nessa obra. Brilhantia seria a palavra mais apropriada para esse trabalho.