Matérias

Grandes Achados

Enviado em 05/02/2010

Nesses quase 2 anos de site (1 ano publicado e 2 que comecei a fazê-lo), foram várias as descobertas que obtive entre profissionais que ninguém conhecia seus nomes, e muito menos quem eram, e aqui vou falar um pouco sobre isso.

 

O primeiro grande achado foi da dubladora da Safire de A Princesa e o Cavaleiro. Nos fóruns na internet, apenas citava sobre sua primeira e última dubladora, porem a mais constante e marcante não se sabia quem era. A primeira pessoa que consultei foi o dublador Henrique Ogalla, que desde o começo foi atencioso comigo, chutando vários nomes. Por exclusão sobrou apenas o nome de Antonieta Matos, que segundo Henrique, era filha de Aliomar de Matos. Eu conhecia o Marco Antônio do Blog Universo Aic, e sabia que ele tinha contato com o marido de Aliomar, Silvio Matos, e o pedi para contata-lo. Demorou um pouco de tempo para a resposta de Silvio, mas ela finalmente veio, dizendo que iria contatar Antonieta. Logo em seguido Marco recebe o e-mail de Antonieta confirmando que fez a Safire, fez o Michael Jackson, a Valéria, vários personagens em longas da Disney, e muitos outros personagens em 10 anos que trabalhou com dublagem, e foi uma alegria muito grande para mim que até compartilhei essas informações em outros fóruns. Marco e eu fizemos uma entrevista conjunta com Antonieta. Na época, Novembro de 2009, eu ainda estava construindo o site Casa da Dublagem. Quando o site foi inaugurado em Março de 2010, já foi lançado com a entrevista de Antonieta.

 

Em sequência disso, conseguimos o segundo achado. Eu pedi ao Marco para perguntar à Antonieta sobre fotos da época, pois na época ainda não tinha contato com ela (fui ter posteriormente por e-mail e orkut), e ela nos mandou fotos da época da Disney, descobrindo a imagem de mais um lendário dublador, diretor e tradutor brasileiro: Telmo de Avelar.

 

O terceiro achado foi a foto da dubladora Noeli Mendes, através da ajuda do dublador Flávio Dias, em uma foto sobre a greve de 1978.

 

Outro grande achado foi a foto do lendário dublador e diretor Luís Manuel, que consegui pessoalmente no Oscar da Dublagem quando o entrevistei. Após isso outros meios de comunicação começaram a procurá-lo para entrevista-lo, pois atualmente é o maior diretor de dublagem do Brasil, e um dos melhores diretores quando o quesito é escalação.

 

Colocamos também como grande achado, as matérias feitas respectivamente em 1966 e 1976, no qual achamos a foto de 2 grandes dubladores: Nelly Amaral e Ruth Schelske, que na realidade foi o primeiro achado, mas que surgiu antes da criação do site, em 2008, mandado gentilmente por correio por Ricardo Ribeiro, filho do dublador Ribeiro Santos. Lá também encontramos várias matérias com outros dubladores, e fatos curiosos e importantes para a dublagem, como o caso da Ziv, citada pela saudosa dubladora Diana Morel, que foi a primeira empresa de dublagem do Brasil, que atualmente no seu lugar funciona a Delart, e pouco tempo depois com a Herbert Richers que alugava os estúdios da Cinelab para fazer suas dublagens, e a CineCastro.

 

As matérias de entrevista com dubladores na década de 1990 tiradas de revistas do Centro Cultural da Juventude no Bairro da Vila Nova Cachoeirinha em São Paulo, Capital, também foram um grande achado, que foi um tanto trabalhoso, mas também muito recompensador. As revistas não podiam ser levadas para casa, então peguei minha câmera digital e tirei fotos de todas as entrevistas, inclusive fotos das próprias fotos, no qual no final acabaram ficando de boa qualidade e sendo usadas no site. Editei todas as entrevistas para o site, e com isso guardando esse registro importante da dublagem brasileira.

 

Em Setembro de 2010 veio outra descoberta, o nome de Terezinha Moreira, a dubladora da Olívia Palito de Popeye. Silvio Navas havia citado em uma entrevista que sua dubladora era esposa do saudoso Paulo Gonçalves, porem não se lembrava de seu nome. Conversando com o dublador Miguel Rosenberg, perguntei a ele se ele se lembrava desta dubladora, já que dublou muito na época que ela dublava, e ele respondeu imediatamente que sim e já lançou seu nome. Imediatamente fui procurar algo sobre ela, e descobri que trabalhou na Globo e que atualmente mora em Uberlândia, Minas Gerais. Achei fotos dela, mas na época não tinha certeza de se tratava da dubladora Terezinha Moreira, e fui consultar o Silvio Navas, que confirmou imediatamente ser ela, fazendo outro achado se tornar realidade.

 

Em Novembro de 2010, a filha do dublador Gervásio Marques me contatou, pedindo para que algumas informações errôneas fossem alteradas na pagina de seu pai, e com isso eu pedi uma foto de seu pai; só tínhamos uma foto dele em má qualidade; e ela mandou uma em ótima qualidade, marcando um outro grande achado.

 

No mesmo mês, outro grande achado surgiu, a foto de Milton Luís, também confirmada por Silvio Navas, colega e amiga de Milton. Eu baixei o filme Como Ganhar na Loteria Sem Perder a Esportiva, e achei Milton no filme. Tirei um print da imagem do filme, e publiquei a imagem na internet. Foi muito legal poder conhecer o rosto de um dos grandes dubladores do Brasil.

 

Quero deixar um achado aqui também que considero uma descoberta, pois conhecia-se pouco desse profissional que é Potiguara Lopes. Conhecia-se apenas as vozes que ele havia feito em Chaves e Chapolin, e fora dali confundiam quase que sempre ele com o dublador Marcos Lander. Ao fazer o guia de dublagem de Pica-Pau, e vendo as 2 dublagens; de 1969 e 1977; percebi que havia uma voz que fazia vários falsetes, e que era muito parecida com a voz de Potiguara. Fui desmentido por um dublador, porém o nosso amigo e pesquisador Ivan Betarelli também achou as vozes parecidas, e com algumas observações tivemos certeza absoluta que se tratava de Potiguara. Vamos descrever o fato desde o início: A primeira voz que ouvi, que se parecia com a dele, foi na dublagem de 1969, aonde ele fazia uma voz fina; pois nunca teve a voz fina; e as vezes deixava escapar um tom mais grave, que entregava ele. Depois em 1977 ele dublando o Doutor Hans Chucrutes, com o timbre grave, porém fazendo uma voz mais suave e diferenciado. Após isso, fui descobrindo vilões diversos em 1977 e 1969, não só em Pica-Pau, mas em outros desenhos do Walter Lanz, e assim constatando sua enorme flexibilidade, e também sua enorme participação nessas épocas, já que em 1969 haviam poucos profissionais bons em desenhos, e em 1977 havia uma iscasses total de dubladores, e por essa razão as escalações múltiplas dele, junto é claro com o talento que tinha.

 

Em Dezembro de 2010, quando estava fazendo o guia de dublagem de A Família Urso, revi as 3 vozes da mãe da família nas 3 dublagens, identifiquei as 2 últimas, porém a primeira diziam que era Rita Cleós quem fazia, mas não se parecia em nada com sua voz e com nenhuma outra voz daquela época da Aic (1969). Me veio a mente perguntar ao dublador João Ângelo sobre isso, tinha certeza que ele saberia já que trabalhou na época, então arrisquei em mandar um e-mail para ele, e foi certeiro, ele disse se tratar de uma atriz que dublou apenas na época chamada Beatriz Facker, que inclusive dublou com ele em alguns episódios da série Lancer. O pesquisador Marco Antônio do blog Universo Aic desconhecia essa profissional, e disse para via das duvidas perguntar para o dublador Carlos Campanile, se ele conhecia essa profissional. Já havia perguntado antes para o Carlos, porem não se lembrou, mas da profissional ele se lembrou quando citei, confirmando por duas pessoas sua passagem pela Aic. Ela dublou outros desenhos de Walter Lanz em 1969. Esta aí, por tanto mais uma profissional da área. Hoje está aposentada, mais fez cinema nacional, e muito provavelmente telenovelas.

 

Também em Dezembro outra duvida foi sanada, a do narrador da Herbert Richers, entre mais ou menos os anos de 1996 à 2006, que ninguém sabia quem era. Procurei por narradores da Rede Globo, pois alguém tinha mencionado que esse narrador também tinha narrado na Globo News. Nessa procura achei um vídeo com os bastidores dos narradores da Rede Globo, e lá havia o contato do dublador Ricardo Juarez. Mandei um e-mail para ele falando sobre esse narrador, e ele me respondeu imediatamente dizendo que se tratava de Gilberto Lisieux, que trabalhou no Globo News e também na Rede Globo, e que atualmente faz apenas rádio, sendo muito simpático comigo.

 

De ano em ano vou fazer uma retrospectiva como essa de todos os achados feitos por mim, e claro, com a ajuda de tantos amigos pesquisados e dubladores, e postar aqui para explicar cada descoberta, pois é difícil acreditarmos em informações que se lançam na internet, sem nenhuma explicação se quer de como à conseguiram, se foi passada por alguém, se foi achismo ou se foi inventada. Então devemos uma explicação para os fãs de dublagem sempre sobre nossas descobertas.